Apartamento fechado pode ser um peso nas mãos do proprietário

Há alguns custos obrigatórios para manter o imóvel vazio; aluguel ou venda podem ser solução.

Manter um apartamento fechado representa um gasto para o dono. Em uma conta simples, é possível mensurar esse valor. Vamos imaginar a seguinte despesa mensal: R$ 600,00 de condomínio e R$ 200,00 de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).  Ao final de um ano, teremos R$ 9,6 mil, sem contar o dinheiro necessário para conservação e obras no prédio, cuja contribuição de todos os proprietários também é obrigatória. “Com apartamento fechado, sem alugar ou utilizar o bem, a pessoa vai ter despesas. A taxa de condomínio e o IPTU, independentemente da utilização do imóvel, tem que pagar. E as benfeitorias feitas pelo condomínio significam despesas extraordinárias. Tudo isso reflete em um mau investimento para o cidadão”, afirma o economista Dorgilan Pires.
(Foto:Shutterstock)
Apartamento fechado pode gerar grandes despesas. (Foto:Shutterstock)
Para o especialista, alugar o imóvel é uma solução inteligente para acabar com esses gastos, mesmo que o aluguel fique abaixo do valor de mercado. “Se proprietário conseguir pagar condomínio e IPTU, alugando por um preço baixo, é importante que ele faça essa locação. Melhor ter um faturamento reduzido do que deixar o imóvel fechado. Porque ainda tem a questão da depreciação do bem”.  

Quando vender um apartamento fechado

Para Dorgilan Pires, a pessoa precisa fazer as contas e ver se vale a pena continuar com o apartamento fechado ou vendê-lo. “Se conseguir pegar um bom valor, média de mercado, pode buscar um investimento com rentabilidade melhor. Temos investimentos que pagam, acima de três anos, 105%, 110% do CDI. É bem vantajoso. Algumas aplicações do Tesouro direto, mais conservadoras, dão boa rentabilidade. É questão de fazer as contas”.
apartamento fechado
(Foto:Shutterstock)
+ Quer anunciar seu apartamento?   Fonte: Zap imóveis
Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

O que você precisa para alugar um imovel?

A verdade é que alugar um imóvel pode trazer grandes vantagens, entre elas o tempo de se planejar para comprar uma casa própria ou até mesmo a flexibilidade de mudar-se quando quiser

”"

Alugar um imóvel pode trazer muitos benefícios e também gerar muitas dúvidas, afinal, algumas pessoas pensam que alugar um imóvel pode ser perda de tempo ou dinheiro.

Benefícios da locação

Flexibilidade

A locação pode ser mais flexível, isto porque atualmente está cada vez mais comum mudar para locais mais próximos da universidade, faculdade ou da família. Além disso, o contrato de uma locação possuem prazos curtos de duração e pode ser renovado facilmente, se você pensa em fazer uma mudança, não é necessário se preocupar com a burocracia.

Custos em reformas e manutenções

Além disso, outro benefício da locação é que todos os custos de manutenções e reformas de imóveis é responsabilidade do proprietário, ou seja, o inquilino não precisa se preocupar com custos extras.

Documentos necessários

Por isso, separamos um checklist de documentos para pessoas físicas e jurídicas para não ter erro na hora de fazer a locação! Além do mais, pode de haver uma alteração na solicitação de alguns documentos, isso é de acordo com cada imóvel.

Quando o locatário é pessoa física, são necessários os seguintes documentos:

-Cópia autenticada de RG e CPF;

-Cópia autenticada de RG e CPF do cônjuge, se houver;

-Certidão de casamento, óbito ou divórcio, se for necessário;

-Comprovante de renda mais de três vezes o valor do aluguel, lembrando que a renda pode ser composta;

-Comprovante de residência;

– Declaração do Imposto de Renda;

-Ficha cadastral exigida pela empresa locadora.

Quando o locatário é pessoa jurídica, são necessários os seguintes documentos:

-Contrato social e alterações contratuais;

-Cartão de CNPJ;

-Último balancete da empresa assinado pelo contador registrado no CRC;

-Ficha de inscrição municipal ou estadual;

-Declaração de Imposto de Renda da empresa;

-Comprovante de endereço da empresa;

-Ficha cadastral exigida pelo locador;

-Cópias autenticadas de RG e CPF dos titulares da empresa;

-Certidão de casamento dos titulares, quando houver;

-Comprovante de residência dos titulares.

-Documentos exigidos para o fiador de pessoa física

Já para fazer a locação o inquilino pode escolher a modalidade de apresentar um fiador, então, o mesmo precisa ter um imóvel quitado sem irregularidades, para isso é necessário algumas papeladas a mais. São elas:

-Certidão de ônus reais;

-Cópia do último IPTU do imóvel de garantia;

-Documentação completa do cônjuge, quando houver.

-Documentos de comprovação de renda

Quanto custa alugar um imóvel

Para quem está começando a buscar um imóvel de locação, é importante saber que o preço pode variar. Separamos alguns desses fatores para ajudar você a fazer e escolha certa!

Localização

Visto que a localização é um dos principais motivos que podem afetar o preço do aluguel. O preço por metro quadrado dos imóveis varia conforme a região da cidade em que eles estão localizados por causa de dois pontos fundamentais:

Infraestrutura do local: quanto mais praticidade o bairro tem, mais caro fica o aluguel;

Imóveis em regiões nobres, com acessos a centros comerciais, atividades culturais e transporte público tendem a ser mais caros;

Mais interesse por um imóvel: quando uma região tem muitas buscas, mais caro fica o preço do aluguel.

Tamanho do imóvel

Fazer a locação de uma casa ou um apartamento com um cômodo sai mais em conta do que um imóvel maior. Além de imóveis que possuem espaços adicionais como garagem, área de serviço ou de lazer, encarece o preço do aluguel.

Estrutura do local

Alguns detalhes da estrutura também podem influenciar em seu preço. Imóveis que oferecem pé direito mais alto — maior distância entre o chão e o teto, por exemplo, podem incluir esse fator no preço final, uma vez que são mais visados.

Conservação

Imóveis com menos tempo possuem um preço de locação mais alto que imóveis antigos. Tudo depende do estado de conservação: o local passou por alguma reforma recentemente? Há algum item na infraestrutura que pode gerar despesas no futuro, como vazamentos ou falhas na pintura?

Momento do mercado imobiliário

Lembra que falamos sobre a demanda por imóveis no primeiro item desta lista? Pois é, ampliando a análise para o mercado imobiliário, a movimentação no segmento também é determinante para os custos do aluguel.

Por isso, se o mercado está em um momento de baixa demanda, por exemplo, com um alto número de imóveis disponíveis para locação, o preço do aluguel vai se ajustar a essas condições. Isso porque os proprietários vão preferir alugar por preços menores do que deixar seus imóveis vazios. Por outro lado, em momentos de alta procura e poucas unidades disponíveis, o preço do aluguel tende a subir, pois haverá mais pessoas dispostas a pagar mais caro.

Cuidados ao alugar um imóvel

Faça uma pesquisa de mercado

Faça uma pesquisa online, visite o bairro em que você planeja morar – ainda existem muitos proprietários que não colocam os anúncios na internet –, então procure uma imobiliária e analise todas as opções que ela possui.

Garantias

Para proteger o locador ou mesmo o locatário na hora de alugar um imóvel, geralmente são pedidas garantias da locação. São elas as mais comuns:

Fiador

Essa ainda é uma das formas de garantia mais conhecidas, embora não seja mais tanto utilizada. Nessa modalidade, um terceiro se responsabiliza obrigatoriamente perante o credor, ele é quem será cobrado em caso de inadimplência do contrato.

Seguro Fiança

Essa opção não é tão vista, embora esteja crescendo em novos contratos. Aqui o locador é representado por uma seguradora. Há um valor pago mensalmente e, em caso de inadimplência o dono do imóvel recebe os pagamentos através da seguradora, garantindo os valores da locação.

Depósito

Nessa modalidade, o locador adianta o equivalente a 2 ou 3 meses de aluguel assim que assina o contrato. O valor pode ser usado para garantir os últimos meses de aluguel, portanto se o contratante resolver sair do local e avisar com antecedência e até mesmo pode ficar preso, caso haja avarias no imóvel no ato da devolução do mesmo.

Condições do imóvel

A lei do inquilinato é bem clara em relação ao estado de conservação do imóvel. Por ela, é determinado que o imóvel esteja em boas condições de uso para se viver. Isso significa que as peças sanitárias devem estar instaladas no imóvel, bem como as ligações de luz e água devem estar funcionando corretamente.

Não podem existir infiltrações, vazamentos ou mofos que possam trazer risco de saúde ou vida para quem reside no local.

Vistoria documentada

Aliás, é importanto que você tenha uma vistoria documentada com todos os detalhes do imóvel. Afinal, essa vistoria deve ser realizada em cada cômodo e deixar claro qualquer detalhe da locação, como janelas com dificuldade de abrir, azulejos rachados, pintura, estado de elétrica, hidráulica, entre outros.

Aliás, uma boa vistoria deve até mesmo verificar possíveis problemas em relação a estrutura, analisando rachaduras e outros pontos do imóvel.

Contrato

É preciso ficar atento ao contrato na hora de locar um imóvel. Se precisar, tire um tempo para ler à respeito da lei do inquilinato e não aceite cláusulas abusivas.

Além dos principais itens do documento, deve ser mencionado o prazo total da locação, o prazo mínimo da mesma, o valor do aluguel, o endereço do imóvel, regras para desistência do aluguel antes do prazo estipulado e as taxas para fins de reajustes, pois pode ocorrer uma vez no ano e de acordo com o índice estipulado em contrato.

Saída do imóvel

O momento da entrega das chaves tem sido motivo de muita discussão entre inquilinos e proprietárias/imobiliárias. Isto porque, pode ser que o inquilino tenha regras abusivas. Um grande exemplo é a exigência em relação a pintura. Por isso os proprietários costumam exigir marca e cor, porém essa exigência não pode ser feita.

Portanto, em relação às contas geradas durante a moradia, todas devem ser quitadas. E o imóvel deve ser entregue nas mesmas condições em que foi alugado, a fim de que possa ser alugado novamente sem grandes problemas ou perda de tempo.

Direitos e deveres

É claro que existe a necessidade de garantir seus direitos, mas a Lei 8.245 do ano de 1991, mais conhecida como lei do inquilinato, não fala apenas sobre os direitos dos inquilinos, mas também dos seus deveres.

Portanto, uma das dicas imprescindíveis é que o inquilino leia um pouco mais sobre as regras que deve seguir e o que exatamente essa lei diz em relação as suas obrigações. Entre as obrigações de quem aluga um imóvel está mantê-lo em ordem e cuidar do local como se fosse de sua propriedade, além de devolvê-lo nas mesmas condições que o recebeu.

FONTE: IMOVELWEB

Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

6 dicas para ajudar a vender seu imóvel

Corretores e proprietários que desejam vender seu imóvel precisam ter atenção e cuidado na hora de anunciar. Apresentar imóveis é mais do que colocar algumas fotos na internet. As pessoas querem ver as imagens, ler detalhes, saber o valor correto, a localização certa, entre outras informações. Um anúncio bem feito ajuda a atrair interessados com mais chances de comprar o imóvel.
Resultado de imagem para alugar imoveis

E depois que você recebe um contato? Como proceder? Se você ainda não sabe o que fazer para criar um anúncio completo e bem feito, além dos próximos passos depois que um possível comprador demonstra interesse, confira as dicas que separamos.

1 – Forneça o endereço do imóvel

Localização já é algo que as pessoas costumam lidar online. As experiências com o local certo variam em diversos tipos de aplicativos, sejam naqueles voltados para deslocamento, como Uber, mapas, como Google Maps, de entrega de refeições, como iFood, entre vários outros. Nos anúncios online, o endereço completo pode aumentar em até 339% as chances do seu imóvel receber contatos de interessados.

6 dicas para ajudar a vender seu imóvel

Exemplo de endereço completo no anúncio

2 – Faça uma descrição detalhada do imóvel

Um anúncio com uma descrição bem feita atrai, em média, 90% mais contatos do que os que não possuem uma descrição boa. A descrição precisa cativar o interessado no imóvel. Para que esse objetivo seja alcançado, procure ter o máximo de cuidado com a escrita. Fique atento aos erros de português e evite descrições como:

Apartamento com 80m², 2 quartos, 2 banheiros, sala e cozinha.

Apto c/ 80m², c/ 2 wc e 1 vaga.

AP Bela Vista, 2st, 1 qt, 2car, al. R$2000 s/ IPTU

APARTAMENTO COM 3 DORMITÓRIOS, 2 SUÍTE E 1 BANHEIRO.

Detalhe as características do seu imóvel, não deixe de fora os diferenciais. Invista realmente em um texto que além de mostrar o que as fotos mostram, acrescenta informações que não estão nas imagens.

3 – Deixe bem claro os valores

Não tem nada mais decepcionante do que ver o preço de um produto e descobrir que na verdade custa outro valor. O mesmo sentimento acontece quando uma pessoa interessada no imóvel entra em contato com você e descobre que o preço não é o que está divulgado no anúncio, por isso divulgue os valores reais para vender seu imóvel. Essa dica se aplica também para o IPTU e o condomínio. Assim você atrairá de fato as pessoas interessadas naquela faixa de preço.

6 dicas para ajudar a vender seu imóvel

Exemplo de valor do imóvel no anúncio

4 – Capriche nas fotos para vender seu imóvel

As fotos são muito importantes em um anúncio. As boas imagens são as que:

  • Tem um enquadramento mais aberto para mostrar bem os ambientes;

  • Mostram as áreas internas e externas;

  • Não são escuras ou desfocadas. Uma boa iluminação deixa as fotos mais atraentes, por isso aproveite a luz do dia para tirá-las.

Poste as fotos como se a pessoa estivesse entrando pelo seu imóvel. No geral, as pessoas dão de cara com a sala, depois o corredor para os outros ambientes, e assim por diante. Tente oferecer a experiência de uma visita por meio de imagens.

5 – Fique a postos para as visitas

Se você anunciou seu imóvel é porque está pronto para receber visitas, certo? Então esteja disponível para os interessados. Caso não consiga no horário que a pessoa pede, sugira outro. Além disso, evite deixar o imóvel desorganizado. Tente passar a melhor impressão. Se estiver acontecendo algum reparo ou reforma, explique ao interessado. Tire todas as dúvidas dele.

Não esqueça que o imóvel é um grande investimento e é natural que as pessoas queiram saber detalhes sobre o que estão comprando. Além disso, em tempos de pandemia, fica atento aos protocolos de higiene sugeridos pela Organização Mundial da Saúde e pelo próprio país. Assim você garante uma visita segura.

6 – Tenha os documentos prontos para vender seu imóvel

Para vender seu imóvel são necessários alguns documentos. Tenha todos eles em mãos. Depois de anunciado, a qualquer hora uma pessoa pode querer comprar. Fique atento a:

  • Autorização de venda;

  • Cópias da matrícula atualizada;

  • Carnê do IPTU;

  • Certidões dos proprietários.

Assim você já facilita a parte burocrática da negociação. Mas para que todas essas dicas façam você chegar até essa fase para finalmente vender seu imóvel, o primeiro passo é anunciar. Está preparado para colocar seu imóvel à venda ou locação?

FONTE: ZAP IMÓVEIS

Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

ANIVERSÁRIO DE SÃO PAULO CONHEÇAS AS EXPRESSÕES TIPICAMENTE PAULISTAS

Mais de 17 gírias paulistanas que você vive ouvindo por aí.

Japs, top e pigas: conheça as expressões cafonas e mais usadas por paulistanos.

25-de-janeiro-feriado

No dia 25 de janeiro, São Paulo comemora 467 anos de muita história. E para homenagear a cidade, resolvemos fazer um guia com as gírias paulistanas mais usadas por aqui. Apesar da maioria delas ser engraçada/beirar o ridículo, elas dão um toque único ao tal sotaque paulistano.

Confira então as palavras que você tem que saber se quiser falar que nem um paulistano nato:

1. Top

Adjetivo usado por paulistanos para dizer que alguma coisa é muito incrível – principalmente pelos coxinhas: “Nossa meu, peguei uma baladinha top no fim de semana”.

2. Tipo

Paulistanos não percebem, mas se você parar para contar quantos “tipos” eles usam em suas frases, vai ficar cho-ca-do: “Porque tipo assim, quando eu tava lá tipo beijando a minazinha, tá ligado? Tipo, foi top”.

3. Mano

Você pode estar se dirigindo a um idoso, uma menina ou uma criança, não importa, “mano” é mandatório se você quiser falar que nem um paulista, mano.

4. Laras

Abreviação de larica – mais conhecida como fome que bate depois de fumar um baseado. Mas aqui em São Paulo, você pode ser a pessoa mais careta, que ainda assim vai ter o costume de falar “laras”, afinal, bater uma laras nada mais é que matar a fome – risos.

5. Padoca

Apelido carinhoso – e cafona – para se referir a uma padaria. Afinal, “bater uma laras na padoca depois da balada é top, mano”.

 6. PT

Iniciais de perda total, que até então, era um termo comum para se referir a carros mega acidentados. Mas em São Paulo, dar PT é encher a cara e terminar a noite nadando no próprio gorfo. E acredite, tem muita gente que antes de ir para a baladinha top, fala “mano, hoje eu vou sair pra dar PT”.

7. Breja

Palavra usada por TO-DOS os paulistanos para se referir a uma cerveja. O mais engraçado é que breja também virou rolê, e tem muitas pessoas que chamam o amigo para tomar uma breja, quando na verdade é só para dar uma volta no shopping. Vai entender, né?

8. Chapei

Chapei é uma expressão usada, principalmente, por maconheiros, mas tem muita gente que usa para se referir a estado de bebedeira: “Mano, vamo chapar o coco hoje, que a baladinha vai ser top”.

9. Busão

Dificilmente você vai ver um paulistano se referindo a um busão, como ônibus – risos.

10. Nargas

Não sei porquê, mas se tem uma coisa que paulistano adora é se reunir com os amigos para fumar narguile, ou melhor, nargas. Oi?

11. Pigas

Paulistano não fuma cigarro, fuma pigas, mêo.

12. Gourmet

Do bolovo ao caviar, se for gourmet, o paulistano está dentro. Por que, né?

13. Meu

Meu, todo paulistano fala muito “meu”.

14. Feijuca

“Mano, aquele bistrozinho no Itaim serve uma feijuca gourmet muito top”. Precisa falar mais alguma coisa?

15. Man

Traduzindo para o português: homem. Mas claro que em São Paulo teria um significado e pronuncia diferente, né? Então fica a dica que paulistanos falam “mêín”, que nada mais é que uma forma mais coxinha de falar “mano”: “Porra mêin, me chama no Whats para combinar aquele rolezinho top”.

16. Osso

Osso = complicado. “Mêin, a prova da facul tava muito osso”.

17. Japs

Orkutização da comida japonesa em São Paulo: a gente vê por aqui. Ninguém sai de casa para comer uns sushis, ou comida oriental, o negócio mesmo é se juntar com os brothers e colar num “japs” – leia-se di-é-ps, HAHA.

18. Partiu

#partiutreino, #partiubalada, #partiurolê, #partiujaps. Além de tudo, paulistano adora meter uma hashtag onde não precisa.

  Fonte: guiadasemana.com.br Redação: ObaOba
 
Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

Tendências do setor imobiliário após a pandemia

Tendências do mercado imobiliário: como a inteligência artificial está  ajudando a transformar o setor - Blog - Room33

A pandemia do novo coronavírus chegou de surpresa e atingiu em cheio a economia e o comportamento de pessoas de todo o mundo. Desemprego, retração e até divórcios. No mercado imobiliário não foi diferente, empresas que estavam com projetos para serem lançados tiveram que adiar e rever estratégias.

Aproveitando o tempo que sobrou, as equipes das grandes incorporadoras mergulharam em estudos sobre comportamento que estavam mudando naquele momento para pinçar o que efetivamente demandaria novas soluções no longo prazo. Como moradia é um produto de alto investimento, era fundamental para empresas de destaque como a Bait Incorporadora passassem a definir tendências que deverão permanecer também no longo prazo.

“Ninguém define preferências por modismo. Não se muda de casa própria tão facilmente como se troca de carro. É preciso avaliar com calma e profundamente o que alterar, afinal traz impactos orçamentários”, explica Henrique Blecher, CEO da Bait.

A conclusão é de que algumas concepções parecem duradouras e outras, subjetivas, ou seja, dependem muito da individualidade, da forma como as pessoas desejam viver. E outras parecem ser mais ideias da moda, como exigência de lavabo na entrada, uma vez que as pessoas normalmente higienizam as mãos com álcool na saída do elevador ou mesmo nem tocam em botões nos prédios mais modernos que fazem uso de biometria e até reconhecimento facial. Por isso, o executivo da Bait listou algumas das mudanças que vieram para ficar:

Home office – a Bait acredita que o home office veio para ficar e ainda que não seja adotado todos os dias, certamente muitas empresas oferecerão aos empregados a possibilidade de trabalhar de casa alguns dias da semana como forma de reduzir o tempo gasto no trânsito e ter mais tempo livre para a prática de atividades físicas, por exemplo. A saúde e a qualidade de vida dos colaboradores são itens primordiais. “Com esse olhar, desenhamos plantas que oferecem um lugar mais privativo para trabalhar, sem ser um cômodo solto, perdido, com pessoas ao redor”, explica Henrique.

Espaços de descompressão – um ponto unânime na avaliação da empresa é a necessidade de ter locais de descanso, reflexão, relaxamento. Partindo dessa premissa, a Bait tem investido em projetos que mesclam rico paisagismo em locais para se sentir em harmonia com o espaço e a natureza. No seu mais novo lançamento, o Igara, no Leblon, a incorporadora criou na parte superior um terraço jardim, descoberto, com intensa jardinagem, horta e cadeiras para apreciar a vista do mar do Leblon, tomar sol de dia e sentir a brisa fresca, ao ar livre, à noite.

Tamanho das moradias – a empresa continua acreditando na praticidade como exigência de muitos clientes. Fora isso, vale lembrar que a Zona Sul do Rio tem o metro quadrado mais caro do país por oferecer praia. Então a empresa decidiu mesclar seus produtos. Continua oferecendo imóveis mais compactos para quem não quer uma moradia mais difícil de cuidar ou tem o orçamento mais apertado, e tem também imóveis maiores, procurados por famílias com mais filhos. “Independentemente do tamanho, pensamos em fazer apartamentos que se pareçam com casas. Valorizamos muito a integração inteligente de espaços e o uso das varandas com cortinas de vidro retrátil como extensão das salas, proporcionando maior sensação de liberdade e bem-estar. Não entendemos que as pessoas necessitem de uma casa muito maior. Elas precisam de plantas mais inteligentes e pensadas em cada detalhe, como iluminação natural, ventilação e conforto térmico. Otimizamos espaços”, reforça Blecher.

Tecnologia – a Bait aposta como um dos seus diferenciais hoje no mercado um olhar mais atento às novas tecnologias que visam trazer mais segurança e praticidade ao dia dos moradores, tanto nos apartamentos, como nos condomínios. Os seus empreendimentos, em geral, possuem infraestrutura pronta para instalação de internet das coisas para aparelhos de áudio e vídeo e fechaduras inteligentes com identificação por aproximação do celular nos imóveis. Na entrada dos prédios, há portaria remota que identifica as placas dos carros, combinada com reclusa (espaço para identificação presencial), lockers para entregas e segurança perimetral com câmeras. Além disso, a empresa oferece serviços sob demanda, com uso de aplicativos.

Fonte: Mercadoimobiliario.net
Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

Financiamento imobiliário tem desafios para manter ritmo em 2021

Aluguel e venda de imóveis

Beneficiado pelos juros baixos e depósitos recordes na poupança, o setor ganhou impulso no segundo semestre de 2020.

Em meio à crise provocada pela pandemia de Covid-19, um setor da economia brasileira encerrou 2020 em ritmo de superação. De janeiro a outubro, os financiamentos imobiliários concedidos com recursos da poupança totalizaram R$ 92,7 bilhões, crescimento de 48,8% em relação ao mesmo período de 2019, segundo os dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

Beneficiado pelos juros baixos, depósitos recordes na poupança, atuação dos bancos públicos e pela aprovação do programa Casa Verde Amarela, o setor imobiliário ganhou impulso no segundo semestre. No entanto, enfrenta desafios para manter o crescimento em 2021, como o encarecimento de materiais de construção e as incertezas sobre a recuperação da economia.

Emprego e renda

Outro fator que alimenta uma interrogação em torno do crescimento do mercado imobiliário em 2021 reúne as incertezas em relação à velocidade da recuperação do emprego e da renda.

Ao apresentar a projeção de crescimento de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) da construção civil em 2021, o presidente da Cbic, José Carlos Martins, classificou de “otimista conservadora” a expectativa da entidade. As avaliações para o próximo ano, no entanto, dividem-se.

O presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da Cbic, Celso Petrucci, diz que o déficit habitacional no Brasil e mudanças de comportamento da população depois da pandemia, como a procura por imóveis mais afastados de áreas densamente povoadas, ajudarão a manter aquecida a procura pelos financiamentos imobiliários.

“Todos torcemos pela rápida recuperação na economia, pela queda do índice de desocupação, desemprego e por melhora na renda das famílias. Mas o Brasil tem tanta necessidade de habitação que isso não vem afetando o mercado e não afeta em 2021”, avalia Petrucci.

Ele ressalta que o mercado imobiliário conseguiu crescer em 2020, mesmo com o emprego e a renda em queda e que a manutenção da taxa Selic (juros básicos da economia) em 2% ao ano ao longo de boa parte e 2021 continuará a impulsionar os contratos.

Base de comparação

Especialista em mercado imobiliário da FGV, o professor Pedro Seixas não é tão otimista. Para ele, a fraca base de comparação em relação a 2019 levou ao crescimento na concessão de financiamentos em 2020.

Ele diz duvidar se a expansão será sustentável em 2021. “Existe uma retomada, mas a questão é se esse crescimento será sustentável por causa da renda e do emprego. Do ponto de vista pessoal, quem tem dinheiro deve aproveitar os juros baixos e comprar [um imóvel], mas é diferente de dizer que crescimento é sustentável”, analisa.

De acordo com Seixas, o setor imobiliário brasileiro, apesar do crescimento em 2020, está em nível semelhante a 2010.

“Essa recuperação tem muito mais a ver com um efeito estatístico do que com uma reversão de tendência. O que determinará a demanda será a velocidade de recuperação da economia”, acrescenta. Para Petrucci, da Cbic, uma eventual estagnação da renda pode ajudar nas vendas no início de 2021 ao inibir as construtoras de repassar o aumento dos materiais de construção para o preço dos imóveis.

Fonte: VEJA

Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

Qual o valor do metro quadrado dos apartamentos na Mooca?

Saiba mais sobre o custo do m² dos Aptos na Moóca.

Mooca: Motivos para morar em um bairro com diversas opções de gastronomia

O bairro da Moóca é um dos mais tradicionais da cidade de São Paulo, abrigando muita história (principalmente da  época da imigração), mas que vem se modernizando muito nos últimos anos.

A região tem passado por uma valorização imobiliária bastante significativa, e justamente por isso que a nossa equipe realizou uma pesquisa detalhada referente ao valor médio do metro quadrado dos  Apartamentos na Mooca à venda, disponibilizados através do Portal ZL Imóvel.

Confira a tabela abaixo:

 
Valor médio do metro quadrado dos Apartamentos Mooca, Zona Leste - São Paulo
Dormitórios Vagas de Garagem Valor médio m²
Kitnet e 1 SEM VAGA R$ 6.570,00
1, 2 e 3 1 R$ 6.840,00
2 e 3 2 R$ 7.650,00
3 e 4 3 R$ 7.810,00
4 ou mais 4 ou mais R$ 7.890,00
Dados Setembro 2020 Portal ZL Imóvel
 

Tipos dos apartamentos mais procurados na Moóca

Apesar da sua tradicionalidade, assim como falamos no início do texto, o bairro da Mooca tem passado por um grande desenvolvimento e processos de modernização. E essa mistura entre tradição e modernidade, tem valorizado muito a região, atraindo assim, cada vez mais construtoras e incorporadoras.

Os apartamentos avaliados entre R$500.000,00 e R$600.000,00 foram os mais ofertados e pesquisados, através do Portal ZL Imóvel, por pessoas interessadas em comprar apartamentos no bairro. Com isso, a construção de apartamentos com Varanda Gourmet na Mooca acabou crescendo.

Os apartamentos com 2 Suítes na Mooca e 3 Suítes na Mooca também apresentaram um bom índice de procura por quem tem a intenção de comprar imóveis na região.

Resumo sobre a infraestrutura e moradores do  bairro da Mooca

A Mooca é considerada um bairro completo e autônomo, alegre, acolhedor e apaixonante, com a capacidade de conservar as suas características familiares e residências, sem perder a oportunidade de oferecer uma moderna infraestrutura, aos seus moradores e frequentadores.

Aliás, falando em moradores, o bairro, segundo o IBGE, abriga em torno de 63 mil habitantes. A renda média dos seus residentes é entre 5 e 10 salários mínimos.

A região é um reduto de imigrantes italianos e seus descendentes. Mas, para quem não sabe, também há influência indígena em sua formação, ficando evidente através do nome de algumas ruas, como: Jumana, Tacomaré, Chamantá e Ibipetuba.

Os moradores da Mooca estão bem amparados pelo comércio, unidades de saúde (públicas e particulares), escolas, faculdades e meios de transporte (no próximo ponto contamos quais são as opções de transporte no bairro).

Transporte público e mobilidade urbana na Mooca

Um dos pontos fortes do bairro é o fato de ter uma localização considerada estratégica, por estar próximo a importantes pontos e vias da cidade de São Paulo, facilitando assim,  a mobilidade de quem tem seu transporte particular.

Quem recorre à transporte público também está bem servido, na região, pois são encontradas na Mooca, as seguintes estações:

• Juventus-Mooca da linha 10 – Turquesa da Companhia Paulista de Trens e Metropolitanos (CPTM);

• Estação Bresser-Mooca, da Linha 3-Vermelha do Metrô;

• Proximidade com a Linha- Verde, estação Vila Prudente que dá fácil acesso a Av Paulista sem necessidade de baldeação e demais transferências;

• Além das diversas linhas de ônibus que levam para quase todas as regiões de São Paulo.

A Moóca é um bairro seguro?

Com toda a valorização e desenvolvimento que a região tem passado, e por estar localizada na maior cidade do país, você deve se questionar com relação a segurança. Esse é um fator de orgulho para os seus habitantes.

Isso porque, a Mooca foi considerada o bairro mais seguro de São Paulo por vários anos consecutivos, segundo o Governo do Estado. Entre os anos de 2011 e 2013, por exemplo, apenas duas mortes ocorreram na região, ficando muito abaixo, comparado aos demais bairros.

E até os dias de hoje, continua no ranking dos 10 bairros mais seguros da capital paulista, segundo  o Ìndice de Exposição a Crimes Violentos, levantamento, realizado em 2018, pelo Instituto Sou da Paz.

Lazer na Moóca

Na Moóca encontram-se opções de lazer para todos os gostos, sendo alguns delas:

• Moóca Plaza Shopping (um dos empreendimentos pioneiros no processo de modernização da região);

• Clube Atlético Juventus (tradicional e famoso clube da cidade);

• Museu da Imigração;

• Teatro Municipal da Moóca Arthur Azevedo, sede do Clube do Choro de São Paulo.

• Biblioteca Affonso Taunay.

• Parque Sabesp Moóca com uma área de mais de 20 mil m² de árvores e gramado com equipamentos de ginástica e    playground.

• Bares e restaurantes (principalmente de comidas típicas italianas) são muito encontrados na região.

FONTE: ZLImóvel

Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

Qual o valor do metro quadrado das Casas na Zona Leste São Paulo?

Saiba mais sobre o custo do m² das Casas na Zona Leste em 2021

Imagem Qual o valor do metro quadrado das Casas na Zona Leste São Paulo?

Neste ano de 2021, o Portal ZL Imóvel realizou uma avaliação detalhada do mercado imobiliário das Casas e Sobrados à venda na Zona Leste de São Paulo, tendo como base as ofertas cadastradas no ano de 2020.

Abaixo, mostraremos tabelas com valores do metro quadrado das casas de 2, 3 e 4 dormitórios, iniciando com o valor médio do metro quadrado das Casas à venda com 2 dormitórios e 1 vaga de garagem, na Zona Leste de São Paulo:

Na tabela a seguir, informaremos os valores médios do metro quadrado das Casas à venda com 3 dormitórios e 2 vagas na Zona Leste de São Paulo:

Valor médio do metro quadrado das Casas / Sobrados 2 e 3 Dormitórios com 2 Vagas de Garagem Zona Leste - São Paulo
Bairro Valor m²
Penha R$ 4.140,00
Tatuapé R$ 5.140,00
Itaquera R$ 3.830,00
Moóca R$ 4.789,00
Vila Carrão R$ 4.620,00
Vila Formosa R$ 4.360,00
Vila Matilde R$ 4.600,00
Vila Prudente R$ 4.590,00
Vila Ré R$ 4.050,00
Artur Alvim R$ 4.020,00
Cidade Patriarca R$ 4.070,00
Vila Esperança R$ 4.200,00
Parque São Lucas R$ 4.170,00
Guaianases R$ 3.000,00
Dados Janeiro 2021 Portal ZL Imóvel
 

Na próxima tabela, mostraremos os valores médios do metro quadrado das Casas à venda com 4 dormitórios e 3 ou mais vagas na Zona Leste de São Paulo:

 
Valor médio do metro quadrado das Casas / Sobrados 3 e 4 dormitórios com 3 Vagas de Garagem Zona Leste - São Paulo
Bairro Valor m²
Penha R$ 4.110,00
Tatuapé R$ 4.890,00
Itaquera R$ 3.620,00
Moóca R$ 4.850,00
Vila Carrão R$ 4.780,00
Vila Formosa R$ 4.310,00
Vila Matilde R$ 4.470,00
Vila Prudente R$ 4.650,00
Vila Ré R$ 3.950,00
Artur Alvim R$ 4.150,00
Cidade Patriarca R$ 3.800,00
Vila Esperança R$ 4.210,00
Parque São Lucas R$ 3.760,00
Guaianases *Prejudicado
Dados Janeiro 2021 Portal ZL Imóvel

*Prejudicado – Não foram cadastradas ofertas suficientes para uma análise completa

Já na última tabela, informaremos o valor médio do metro quadrado das Casas e Sobrados de Alto Padrão na Zona Leste, SP

 
Valor médio do metro quadrado das Casas / Sobrados 4 ou mais dormitórios com 4 ou mais Vagas de Garagem Zona Leste - São Paulo
Bairro Valor m²
Jd. Anália Franco R$ 5.800,00
Jd. Textil R$ 5.380,00
Tatuapé R$ 5.180,00
Moóca R$ 5.030,00
Parque da Moóca R$ 5.700,00
Vila Formosa R$ 4.200,00
Vila Carrão R$ 4.480,00
Vila Matilde R$ 4.430,00
Jd. Avelino R$ 4.590,00
Dados Janeiro 2021 Portal ZL Imóvel
 

Hoje, muitas famílias acabam realizando reformas ou construções, utilizando materiais de altíssimo padrão, muitas vezes, em imóveis localizados em locais periféricos da região que acabam acarretando em uma supervalorização, tornando-se um problema na hora da venda.

Óbvio que a grande maioria das reformas acabam valorizando os imóveis e nós incentivamos, principalmente, porque um imóvel que não passa por um processo de reforma de tempos em tempos, acaba se transformando em uma oferta, muitas vezes, invendável do ponto de vista de mercado.

Assim, aconselhamos fazer a matemática, se não vale mais a pena adquirir um imóvel usado mais caro, que já passou pelo processo de reforma, pois muitas vezes esses acabamentos acabam entrando na conta final por um valor abaixo do gasto, caso fossem comprar um imóvel novo sem acabamento. Vejamos um exemplo:

Exemplo: Uma casa usada que tinha o valor de mercado antes da reforma de aproximadamente R$ 300.000,00, passou posteriormente por uma enorme reforma, utilizando acabamento de alto padrão, e isso gerou um custo final de R$ 150.000,00 (50% do valor do imóvel). Após 5 anos de usos, eles decidem vender por R$ 450.000,00. Porém, o valor de mercado desse sobrado, mesmo reformado, não ultrapassa R$ 400.000,00. Ou seja, infelizmente essa família terá que amargar o prejuízo na hora da venda, pois muitas vezes a reforma não supervaloriza o imóvel. Em contrapartida, observando pelo lado do comprador, adquirir um imóvel como esse pode ser um excelente negócio.

Fonte: Banco de Dados do Portal ZL Imóvel – Janeiro 2021

Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

Vale a pena pagar o IPTU 2021 à vista em São Paulo?

É possível pagar o imposto em cota única, com desconto de 3%, em fevereiro, ou parcelar o tributo em dez vezes. Mas, qual a melhor opção?

 — Foto: Getty Images

A prefeitura de São Paulo divulgou o calendário de pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) 2021. Os contribuintes podem pagar o imposto em cota única, com desconto de 3%, em fevereiro, ou parcelar o tributo em dez vezes (entre fevereiro e novembro).

A prefeitura enviará pelos Correios os boletos para pagamento entre os dias 15 de janeiro e 11 de fevereiro. Os contribuintes devem receber os boletos entre 22 de janeiro e 19 de fevereiro. Serão enviados dois boletos: um para pagamento à vista com desconto e outro para pagamento da primeira parcela. No site da prefeitura, você acessa o calendário completo.

 Quem tem o dinheiro deve aproveitar o desconto de 3% e pagar à vista. Primeiro, porque é bom se livrar logo desse compromisso e não ficar com esse problema para os próximos meses, já que imprevistos financeiros podem acontecer.

Segundo, porque nenhum investimento conservador, em que o investidor tem garantia de retorno, conseguiria ter um rendimento equivalente ao desconto de 3% em dez meses. A taxa básica de juros da economia, a Selic, referência para esses investimentos, atualmente está em 2% ao ano.

Assim, é recomendado até sacar o dinheiro do investimento conservador para pagar o IPTU à vista, se não for fazer falta para realizar outro objetivo, aconselha Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

 
No entanto, para quem não tem o dinheiro, a alternativa é dividir o IPTU em dez parcelas. É melhor do que tomar crédito para quitar o IPTU à vista e pagar juros por isso.
 

A sugestão da economista do SPC Brasil é que para os próximos anos, o consumidor faça uma programação automática ou vá separando todo mês um determinado valor para quitar os compromissos sazonais.

 

Pagamento em atraso

 

Em caso de pagamento do IPTU em atraso, ou de não pagamento, a prefeitura esclarece que o contribuinte estará sujeito ao pagamento de multa, juros, atualização monetária, e, ainda, honorários advocatícios em caso de inscrição em dívida ativa.

Os boletos enviados pela prefeitura não podem ser utilizados para pagamentos em atraso. Nesse caso, o contribuinte pode obter a segunda via do boleto no site da prefeitura, ou realizar o pagamento no caixa eletrônico ou pela internet banking dos bancos conveniados.

O IPTU de 2021 em São Paulo não terá reajuste.

 

Segunda via do boleto

 

A segunda via dos boletos estará disponível a partir de 15 de janeiro, no site www.prefeitura.sp.gov.br/iptu. Se o contribuinte optar pelo pagamento parcelado, os boletos das parcelas seguintes serão enviados pelos Correios em um único formulário antes do vencimento da 2ª parcela.

Os contribuintes que fizerem a atualização de dados cadastrais pelo site da prefeitura podem escolher o dia de vencimento desses boletos em cada mês. Para isso, é preciso informar o número de cadastro do IPTU. Para quem não atualizar os dados e não fizer nenhuma escolha, os boletos vencem nos dias 9 ou 14 de cada mês.

Fonte: Valor Investe

 
Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário

Vendas de imóveis avançam 20% e lançamentos voltam a crescer

De acordo com dados da Abrainc, outubro foi o melhor mês de vendas desde 2014 e os lançamentos voltaram ao nível pré-pandemia. Recuperação é puxada pela baixa renda

imóveis

A pandemia do coronavírus afetou a economia brasileira como um todo, mas o setor de construção civil parece ter resistido melhor aos efeitos da crise. Dados divulgados pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) mostram que as vendas de imóveis avançaram 20,5% nos 12 meses encerrados em outubro. Os lançamentos, antes paralisados, também voltaram a crescer e já estão no nível pré-crise.

“Temos visto um consumidor resiliente na hora buscar oportunidades para adquirir a casa própria, principalmente a população de baixa renda em busca do primeiro imóvel. Isso tem puxado o desempenho do setor de incorporação, que tem investido em lançamentos de novos empreendimentos”, afirma o presidente da Abrainc, Luiz Antonio França.

Em outubro, houve um salto de 67,9% nas vendas de unidades, na comparação com o mesmo mês de 2019. Foi a maior variação percentual desde 2014. Os lançamentos de novos empreendimentos tiveram um salto de 85,5% no mesmo período.

Casa Verde e Amarela e Minha Casa Minha Vida

O desempenho positivo tem sido puxado pelo segmento de baixa renda. De cada 10 imóveis lançados nos últimos 12 meses, 8 eram pertencentes ao Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), rebatizado de Programa Casa Verde e Amarela pelo governo de Jair Bolsonaro. O segmento de habitação popular teve crescimento de 86,5% nas vendas em outubro de 2020. O número de lançamentos mais do que dobrou no mesmo mês, também em relação a outubro de 2019.

Já os imóveis de médio e alto padrão acumulam queda nas vendas desde o início da pandemia. As vendas de unidades de médio padrão cresceram 3,1% e as de alto padrão avançaram 10% no período de agosto a outubro de 2020. Isso, no entanto, não foi suficiente para reverter a queda de 5,6% nas vendas registrada nos 12 meses encerrados em outubro.

Com as vendas paradas, as construtoras e incorporadoras colocaram o pé no freio e adiaram os lançamentos de novos empreendimentos. A queda nos lançamentos chegou a 31,4% nos 12 meses encerrados em outubro, de acordo com a Abrainc.

FONTE: EXAME.COM
Publicado em Dicas e Notícias | Publicar um comentário